Catar 2022, a Copa mais cara da história – Beleza e dieta

Catar 2022, a Copa mais cara da história

É impossível determinar com precisão o custo da Copa do Mundo do Catar 2022, mas é quase certo que será a mais cara de todos os torneios da Copa do Mundo jogados desde 1930.

De acordo com vários especialistas e relatórios, o custo excederá 200 milhões de dólares. Até agora, os Mundiais mais caros foram o do Brasil, de 2014, e o da Rússia, de 2018. Ambos custaram menos de 15 milhões.

Construção de novos estádios

No total, são oito os estádios dispostos no Qatar para receber o compromisso esportivo, todos com pequenas medidas devido às dimensões do país do Golfo Pérsico. 

Seis destes estádios são completamente novos e os outros dois foram construídos e remodelados sobre infraestruturas antigas. Os números dispostos para estas construções rondam os 6.500 milhões de dólares.

Al Bayt, será o estádio principal, localizado ao norte a 35 quilômetros da capital. Foi a sede do jogo inaugural da Copa do Mundo, que aconteceu entre as seleções do Equador e do Qatar. 

Sendo o segundo estádio mais bem classificado do campeonato, poderá acomodar cerca de 60.000 espectadores. 

Lusail é o estádio mais bem avaliado do evento da Copa do Mundo, com uma capacidade de 80.000 espectadores, e será a sede final do campeonato.

Os outros seis estádios serão 974 e Al Thumama em Doha; Khalifa, Ahmad bin Ali e Education City em Al Rayan; e Al Janoub em Al Wakrah. 

Vale ressaltar que, neste momento, o país está enfrentando um escândalo sobre as mortes de trabalhadores durante essas construções, de acordo com a mídia The Guardian, cerca de 6.500 trabalhadores de origem estrangeira morreram durante a elaboração dessas infraestruturas.

Catar 2022, a Copa mais cara da história

A Copa do Mundo de 2022 é realizada no Qatar de 20 de novembro a 18 de dezembro. De acordo com o Front Office Sports, uma mídia especializada em esportes, será (de longe!) a Copa do Mundo mais cara da história. 

Estima-se, de fato, seu custo em quase US $ 220 bilhões. Em comparação, é 14 vezes mais do que o custo da Copa do Mundo no Brasil em 2014 – a segunda mais cara da história – e 95 vezes mais do que a Copa do Mundo na França em 1998! 

Esses valores, expressos em dólares, certamente não incorporam a inflação, mas mesmo depois de levar em conta o aumento do nível geral de preços, o custo de organizar a Copa do Mundo no Qatar permanece mais de 12 vezes maior do que o da Copa do Mundo no Brasil.

Este custo enorme é explicado em particular pelos investimentos em infraestruturas necessários pela organização da Copa do Mundo. Por exemplo, 7 dos 8 estádios usados durante esta Copa do Mundo foram construídos especialmente para a ocasião. E apenas 3 deles não serão desmontados no final da competição…

Os custos humanos e ambientais da Copa do Mundo no Qatar

Embora a estimativa do custo de organizar a Copa do Mundo no Qatar seja complexa, quantificar seu “custo humano” é ainda mais complexo, devido à opacidade em torno das condições de trabalho dos trabalhadores. 

De acordo com a Anistia Internacional e a Human Rights Watch, no entanto, há milhares de mortes, vítimas de calor ou mesmo acidentes. 

Na grande maioria, são trabalhadores imigrantes, vindos de países pobres da Ásia (Nepal, Bangladesh, Paquistão, etc.). Os direitos destes trabalhadores imigrantes são, além disso, inexistentes ou quase inexistentes. 

Sob pressão da comunidade internacional e do Escritório Internacional do Trabalho (BIT), o Qatar empreendeu reformas em seu direito do trabalho, mas a maioria só foi aplicada muito recentemente, quando os projetos estavam concluídos ou em processo de finalização.

Até 2020, um trabalhador imigrante não poderia mudar de empregador sem o consentimento de um “patrocinador” (muitas vezes o próprio empregador), o que leva ao trabalho excessivo.

Essa Copa do Mundo deve, além disso, ter um grande impacto no meio ambiente. Devido às altas temperaturas no Qatar, os estádios integrarão sistemas de ventilação e ar-condicionado, particularmente que consomem energia. 

Além disso, devido à falta de acomodações disponíveis no Qatar, serão organizados voos diários para levar os torcedores dos estados vizinhos para Doha, a capital do país.