Glúten: você sabe quais problemas pode causar? – Beleza e dieta

Glúten: você sabe quais problemas pode causar?

A doença celíaca, ou seja, intolerância ao glúten, é uma patologia intestinal crônica de origem autoimune relacionada à ingestão de glúten contido em certos produtos cerealíferos. 

Cerca de 2% da população sofre de doença celíaca. Este último é potencialmente grave e requer o afastamento ao longo da vida de produtos contendo glúten.

Para ajudar você a entender mais sobre o glúten e seus problemas, eu preparei o artigo de hoje sobre o assunto. Ficou interessado em saber mais? Então acompanhe comigo agora mesmo!

O que é o glúten?

A doença celíaca é uma doença crônica que afeta o intestino delgado, é de origem autoimune. Assim, ao absorver nutrientes que contêm glúten, o sistema imunológico dos pacientes reage à proteína do glúten(gliadina) produzindo vários anticorpos.

Ou seja, o glúten consiste, entre outras coisas, em dois tipos de proteína, gliadinas, envolvidas na doença celíaca, e gluteninas. Eles estão presentes em: vários trigos, cevada, centeio ou espécies híbridas dessas variedades

Eventualmente, a doença celíaca causa o desaparecimento de vilosidades intestinais, ou seja, dobras da membrana mucosa para o intestino que aumentam a absorção de nutrientes (vitaminas, minerais, carboidratos, gorduras).

A intolerância ao glúten é cada vez mais comum. Estima-se que até 2% da população mundial seja afetada. A doença é 3 vezes mais comum em mulheres do que em homens.

Pode se manifestar como sintomas menores ou incaracterísticos da doença. De fato, ao contrário da alergia ao glúten, que ocorre imediatamente após a ingestão de glúten, a doença celíaca aparece gradualmente, mas se instala por um longo tempo. Assim, muitas vezes é diagnosticado tardiamente, mais de dez anos após o início dos primeiros sintomas.

A origem exata da intolerância ao glúten permanece desconhecida até o momento, mas hipóteses imunológicas e genéticas parecem mais prováveis. 

De fato, 95% dos pacientes intolerantes ao glúten carregam um ou dois genes específicos. Além disso, os familiares dos pacientes desenvolvem a doença com mais frequência. 

A intolerância ao glúten não deve ser confundida com outras condições

Entre as principais estão:

  • Hipersensibilidade ao glúten, que corresponde à ocorrência de distúrbios digestivos menores (inchaço, desconforto) ao comer alimentos ricos em glúten;
  • Alergias ao glúten, trigo e seus derivados, que envolvem fenômenos alérgicos e causam sintomas alérgicos (eczema, urticária, rinite, angioedema, etc.).

Quais são os sintomas da intolerância ao glúten?

A doença é mais frequentemente assintomática ou causa apenas distúrbios menores. Assim, os pacientes intolerantes ao glúten permanecem por um longo tempo, às vezes a vida toda, sem sintomas.

Onde eles existem, os sintomas da doença celíaca são digestivos. Além disso, eles variam de acordo com a idade de início da doença.

Em bebês, os primeiros sintomas de intolerância ao glúten se desenvolvem algumas semanas após a introdução do glúten na dieta. Eles resultam em diarreia crônica (por mais de 15 dias) com fezes abundantes. 

O recém-nascido não tem apetite e é menos ativo. Às vezes, seu peso diminui e seu crescimento pode ser interrompido.

Em crianças, podemos ver dois tipos de sintomas:

  • Distúrbios digestivos, como diarreia crônica ou intermitente, associados a náuseas, vômitos e possivelmente falta de apetite. Às vezes, o paciente jovem também se queixa de dor abdominal ou gás intestinal;
  • Distúrbios não digestivos, como perda ou déficit de peso, fadiga crônica, irritabilidade, anemia relacionada à deficiência de ferro, atraso na puberdade, amenorreia, feridas repetidas, dermatite (comichão e aparecimento de bolhas).

Em adultos, há também:

  • Manifestações digestivas, incluindo diarreia crônica ou às vezes constipação, dor abdominal, inchaço, flatulência e perda de peso;
  • Manifestações não digestivas, como fadiga prolongada, anemia relacionada à falta de ferro ou vitamina B9, feridas repetidas, dermatite herpetiforme (coceira na pele e surtos de bolhas agrupadas em feixes), fratura relacionada à osteoporose, infertilidade inexplicável ou neuropatia periférica 

Sem tratamento, a intolerância ao glúten expõe você a maiores riscos de câncer do trato digestivo, infertilidade, osteoporose, câncer de trato digestivo superior e fígado e déficit de estatura em crianças.

Diagnóstico e tratamento da doença celíaca

Diagnostico 

A intolerância ao glúten é evocada quando o paciente tem os sintomas característicos da doença, e eles são inexplicáveis por outra patologia. Esta doença é ainda mais suspeita se houver um parente próximo do paciente com doença celíaca.

Fazer o diagnóstico requer testes adicionais realizados por um gastroenterologista. Um exame de sangue permite identificar anticorpos específicos para a doença celíaca. Testes genéticos permitem destacar uma possível predisposição genética.

Em princípio, a confirmação do diagnóstico de intolerância ao glúten requer biópsias do intestino delgado durante uma endoscopia digestiva alta. 

A endoscopia digestiva alta permite observar a parte superior do sistema digestivo, ou seja, o esôfago, estômago e duodeno (parte superior do intestino delgado). 

Tratamento

O tratamento da doença celíaca é baseado em uma dieta sem glúten. Embora restritiva, essa medida dietética continua sendo o único tratamento eficaz para intolerância, além disso, não tem efeitos adversos e evita complicações. 

A dieta sem glúten é um tratamento ao longo da vida que requer a eliminação de muitos alimentos.

A dieta sem glúten consiste em excluir da dieta do paciente todos os alimentos que contêm glúten, a saber: trigo, cevada, centeio e cereais híbridos. Assim, é proibido consumir:

  • Pão e doces;
  • Macarrão;
  • Cookies;
  • A maioria dos cereais projetados para o café da manhã;
  • Alimentos fritos ou à milanesa;
  • Sopas industriais;
  • Sobremesas ou molhos à base de farinha de trigo;
  • Cerveja.

O glúten também está presente em charcutaria, açúcar de confeiteiro, misturas de especiarias e temperos e medicamentos. Finalmente, a melhor maneira de evitar todos os alimentos que contenham glúten é saber como decifrar rótulos de alimentos.

Alimentos contendo glúten podem ser substituídos por arroz, milho, trigo sarraceno, batatas, etc.

Além disso, além da dieta sem glúten essencial neste tipo de patologia, pode ser necessário corrigir deficiências dietéticas, incluindo deficiência de ferro ou vitamina D para prevenir a osteoporose. 

Gostou de saber mais sobre o glúten? Então não deixe de acompanhar os demais artigos do blog, tenho muitas outras novidades para você!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.