Como a tecnologia pode ajudar na dieta? – Beleza e dieta

Como a tecnologia pode ajudar na dieta?

Atualmente, a comida deixou de ser uma mera função biológica necessária para fornecer energia e nutrientes ao corpo, para ser uma questão que está na boca de todos e desperta interesse e preocupação no consumidor. Mas como a tecnologia pode ajudar na dieta?

Para ajudar você a entender mais sobre como a tecnologia pode ajudar na dieta, eu preparei o artigo de hoje sobre o assunto. Ficou interessado em saber mais? Então acompanhe comigo agora mesmo!

Por que nos preocupamos com o que comemos?

Existem várias razões que levaram a esse aumento da preocupação com os alimentos que comemos. Podemos citar, entre outros, mudanças no estilo de vida das pessoas, maior contato intercultural, grandes avanços na tecnologia de alimentos e nutrição…

Tudo isso nos permitiu criar novos conceitos alimentares e estar mais conscientes do efeito que os alimentos têm na saúde, tanto do ponto de vista da prevenção de doenças quanto na conquista do bem-estar físico e mental.

Os avanços científicos no campo da alimentação mostram que isso tem um efeito direto na saúde. É necessário adotar hábitos alimentares que nos proporcionem uma dieta saudável e equilibrada.

No entanto, não existe uma dieta única que funcione para todos. Será diferente dependendo das características de cada pessoa (sexo, idade, atividade física, etc.) e deve fornecer ao corpo nutrientes (carboidratos, gorduras, proteínas, vitaminas e minerais) e energia para atender às suas necessidades, mantendo um bom estado físico e mental.

Um modelo de dieta equilibrado, variado e completo é a chamada dieta mediterrânea.

Novos estilos de vida e a maior integração das mulheres no mundo do trabalho levaram a população a adquirir dietas, que, longe de seguir as recomendações da dieta mediterrânea, optaram por refeições preparadas rapidamente, com altos níveis de carboidratos e gorduras que, em muitos casos, criam estados de falta de nutrientes essenciais e problemas de obesidade e desnutrição.

De acordo com estimativas da OMS, em 2014, mais de 1,9 bilhão de adultos com 18 anos ou mais estavam acima do peso, dos quais mais de 600 milhões eram obesos.

Outro aspecto a destacar é o envelhecimento da população. De acordo com dados fornecidos pela OMS, o número de pessoas com 60 anos ou mais, em todo o mundo, dobrou desde 1980 e espera-se que atinja 2 bilhões até 2050.

Como a tecnologia pode ajudar na dieta?

Ao mesmo tempo, devido aos avanços científicos e à crescente preocupação dos consumidores com o efeito dos alimentos na saúde e na prevenção de certas doenças de alta incidência na população, muitas delas relacionadas a dietas inadequadas, como hipertensão, colesterol, etc., diferentes linhas de pesquisa estão sendo desenvolvidas.

Essas linhas visam o desenvolvimento de alimentos contendo os compostos que apresentaram cientificamente alguma ação preventiva contra essas doenças.

Eles são os chamados alimentos funcionais, como iogurtes com esteróis, leites com ômega 3, etc., que hoje fazem parte da nossa cesta de compras.

Nesse sentido, os centros de pesquisa realizam pesquisas caras e rigorosas no desenvolvimento de ingredientes alimentares com efeito comprovado na prevenção de certas doenças; alimentos com probióticos, alimentos que favorecem uma ação antioxidante, alimentos ricos em fibras, etc.

Também devemos tomar consciência do nosso papel em relação à sociedade. Os benefícios nutricionais e saudáveis dos alimentos funcionais devem ser baseados em uma base científica sólida.

Os avanços tecnológicos no campo da alimentação proporcionam ao consumidor uma ampla variedade de possibilidades nos produtos, não apenas por seu valor nutricional, mas também por sua apresentação, propriedades organolépticas, natureza dos ingredientes.

Atualmente, a indústria de alimentos é uma indústria caracterizada pela alta inovação em produtos que tenta responder às demandas dos consumidores.

Aqui estão alguns dos avanços mais conhecidos:

Rótulos

A confiança do consumidor em nosso produto é essencial. Ele quer saber o que come e é por isso que os rótulos devem ser legíveis e claros. Certificados ou logotipos de credenciamento serão incluídos, se necessário.

Alimentos e técnicas de compra para a geração Y

Refere-se à população entre 25 e 35 anos; um grupo crescente, com hábitos de compra muito diferentes daqueles que conhecemos até o momento e que estão mudando seus produtos e processos de vendas para supermercados e empresas de alimentos.

Eles são exigentes e abertos a novas experiências. Os millennials estão mais conscientes da sustentabilidade.

Lanches saudáveis

As pessoas da cidade estão procurando alimentos que possam ser consumidos em qualquer lugar e a qualquer momento. Isso exige novos lanches que simulem as batatas fritas usuais, como frutas e vegetais, misturas de frutas secas e nozes, etc.

Novas fontes de proteína em cereais de uma vida

Cereais como chia, quinoa, painço, espelta, trigo mourisco… são introduzidos nos alimentos seguindo essa tendência.

Insetos como uma alternativa proteica

Atualmente, há uma tendência clara e a necessidade de procurar novas fontes de proteína que garantam a contribuição desse nutriente para uma população em crescimento.

Já em certos países, os insetos fazem parte da dieta e empresas lançaram hambúrgueres e bifes empanados feitos com insetos.

Frutas em diferentes formatos

Nutricionistas e médicos aconselham o consumo diário de frutas. Novos formatos de alimentos estão sendo desenvolvidos com frutas como lanches, iogurtes, sucos com as mais diversas frutas e nas mais variadas combinações.

Gostou de saber mais sobre como a tecnologia pode ajudar na dieta? Então não deixe de acompanhar os demais artigos do blog, tenho muitas outras novidades para você!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.